TREINAMENTO DE VIAGEM EM GRUPO

ROAD CLAN Moto Clube

- Treinamento

- Disciplina

- Dedicação

A História do Motociclismo

Viagem em Grupo

As motos vão chegando e o som de dezenas de motores cria um clima de expectativa e emoção que domina o cenário. As atenções se voltam para o grupo, magia que se repete a cada parada ou partida. Mas isso só acontece quando o grupo é organizado, agindo de forma coordenada.
 
Parece difícil, mas rodar em grupo com dez, vinte e até trinta motos se torna tarefa simples e divertida, desde que todos conheçam a linguagem de sinais. Com pequenas variações, a linguagem é usada por motociclistas civis e militares em todo o mundo.
 
Inicialmente, é preciso estar disposto a se adaptar às hierarquias e regras de comunicação e sinalização padronizada, pois para quem é “rebelde” ou não suporta regras, recomendamos viajar sozinho. A padronização aumenta a segurança e a agilidade do grupo, que deixa de ser bando e vira uma unidade na estrada.
 
Pontos para iniciarmos uma Viagem em Grupo:
 
1. Local de Encontro e Saída
2.“BRIEFING” (Breve Resumo)
3. Capitão de Estrada / Auxiliar de Capitão
4. Posição dentro do grupo de viagem
5. Ferrolho ou Anjo / Auxiliar de Ferrolho

Capitulo I - O trem de Viagem

O trem de viagem é composto primeiramente pelo Capitão de Estrada e seu auxiliar, que sempre serão a primeira e segunda moto da formação.
Serão seguidos pelos demais integrantes do trem na formação passos na areia (fila indiana intercalada). Fechando esse trem, estão o auxiliar de ferrolho e por ultimo o ferrolho.
 
OBS: O Capitão da Estrada e o Ferrolho não têm a obrigatoriedade de estar em formação clássica, pois precisam ter plena visão do grupo e também entre eles.
 
A formação segue a seqüência de hierarquia Capitão, auxiliar de capitão, associados, convidados, ajudante de ferrolho e ferrolho.
 
A responsabilidade de cada motociclista em manter essa unidade é grande. O menor descuido ou desencontro pode terminar em confusão, acidentes e acabar com a viagem. Para que isso não aconteça, a primeira regra é: “ninguém ultrapassa ninguém” e uma vez estabelecida uma colocação ordenada no grupo, ela deve ser mantida normalmente.
- Competências
 
Capitão da estrada ou Road Capitain: Aquele com mais experiência de viagens no momento, conhecedor das técnicas e dos caminhos/estradas a seguir, trabalha constantemente com a visão dos retrovisores, sempre que possível estará contando se todos os integrantes estão na estrada. Ele deverá escolher seu auxiliar, o  Ajudante de Capitão ou Road Auxiliary, para ajudar a verificar se todos estão bem. Na dúvida ele deverá parar e verificar pessoalmente. Deverá observar as melhores possibilidades de ultrapassagem e colocação do grupo na estrada, a faixa de estrada que ele estiver todos deverão segui-lo. Ele, auxiliado pelo ferrolho (que também deve ser escolhido pelo Capitão), determinará com segurança para todos, a velocidade que o grupo vai viajar.
 
Auxiliar do Capitão: Segunda moto da formação (lado direito da faixa de rolamento), esse irmão(a) ao ser solicitado pelo Capitão deverá auxiliá-lo em diversas situações tais como: a) Verificação geral do trem de viagem. b) Em caso de mudança de faixa de rolamento onde houver transito, sair da formação em direção a faixa escolhida pelo Capitão, com a intenção de segurar o fluxo de veículos, possibilitando a  abertura de espaço para que as demais motos do grupo possam fazer a mudança de faixa com segurança e sem segmentar a formação do trem.  c) Substituir o Capitão a seu pedido. 
Ajudante de ferrolho: Ele será escolhido pelo ferrolho, e trabalhará constantemente com ele, ou seja, revezando em posições quando necessário, avisando o capitão de estrada na ocorrência de algum problema e ficando na estrada para auxiliar aquele que parou sem qualquer aviso, enquanto o ferrolho toma as devidas providências.

Ferrolho: Esse cargo é muito complexo e complicado. Exige um motociclista experiente que esteja em sintonia com o Capitão da Estrada e que tenha uma moto potente para arrancadas bruscas e ágil bastante para andar em meio ao trânsito quando for preciso ir ao Capitão. O ferrolho tem que ter percepção dos momentos críticos, saber o momento certo para abrir (a esquerda) e dar passagem para um veículo em maior velocidade, também o momento para se bloquear uma estrada para a ultrapassagem segura do trem, buscar e segurar algum motorista que se colocou no meio do grupo, ou seja, para cada viagem irá encontrar uma dificuldade e terá que ter solução para a melhor proteger o grupo.  
Triciclo e Carro de Apoio: Estes veículos, devido ao tamanho, não tem condições de acompanhar as motos.
Quando existirem, podem seguir o trem, mas na última posição, depois do ferrolho.  Eles tem a liberdade de programar seu próprio plano de viagem, como abastecimentos e pontos de encontro.
Geralmente o capitão irá informar o caminho, para em caso de trânsito ou desencontro o mesmo saberá a rota que as motos seguirão.
Visitantes: Todo integrante tem o direito de convidar um amigo para viajar junto com o grupo. Durante o desenrolar da viagem, o ferrolho pode convidar um visitante a fazer parte do trem. Nesta condição, ele deve viajar logo à frente do ferrolho.
Cabe também ao integrante explicar todas as regras de Viagem em Grupo ao visitante, para tornar mais fácil sua integração ao grupo.

Capitulo 2

O trem de Viagem em Movimento

O grupo deverá antes de sair, saber quem será o Capitão de Estrada, seu auxiliar, o ferrolho e seu ajudante, combinar o caminho, paradas para abastecimentos e etc, o Capitão deverá reunir o grupo e explicar o caminho que será efetuado e possíveis dificuldades, apresentando seus auxiliares.
Para viajar em grupo a melhor opção de formação na estrada é a clássica (passos na areia), ou seja, quando a moto da frente estiver do lado direito você automaticamente deverá ficar no lado esquerdo a uma distancia segura que ira variar conforme a velocidade do trem. Tenha como base à 2ª moto do trem (auxiliar do capitão) este na normalidade estará sempre do lado direito. Depois de iniciada a viagem e determinada sua posição, sempre que possível permaneça nela, evitando assim o zig-zag, mudança de lado na faixa de rolamento, para os demais seguidores do trem.
Na viagem em grupo, mantenha uma distância segura da moto da frente, essa distancia deve variar conforme a velocidade do trem, a melhor forma de se calcular essa distancia e quando a moto da frente passa sobre um ponto determinado por você a sua moto devera passar pelo mesmo ponto após a contagem dos números 32, 33.  Desta forma o grupo manterá uma distancia uniforme o que também facilitara a visualização Capitão de Estrada, pelos retrovisores.
OBS: Em caso da estrada não propiciar a formação passo na areia, devido às más condições do asfalto, o trem deverá reduzir a velocidade e passar para a formação fila indiana com a distância entre motos aumentada. Voltando a formação inicial logo após a passagem do trecho ruim.
Nas ultrapassagens, o Capitão de Estrada vai determinar qual a melhor hora para fazê-la, caso o movimento da estrada for intenso e o mesmo não ter visão perfeita da posição do Ferrolho, este permanecera na faixa e todos seguirão da mesma forma. Quando o Ferrolho fechar a via o Capitão de Estrada sairá para ultrapassar, ultrapasse com segurança, observe o trem e ai faça sua ultrapassagem, em caso de segmentar o grupo assim que possível reúna-se novamente.
Em viagem, se você não é um dos Capitães e nem os Ferrolhos, você deverá observar se a moto que vai imediatamente a sua frente não está conseguindo acompanhar com freqüência o ritmo imposto, com isso propiciando um espaço vazio segmentando o trem. Neste caso você poderá ultrapassá-lo deixando-o aos cuidados do Ferrolho, ele saberá como conduzir a situação.

Capitulo 3 – Estacionamento Ordenado

A melhor maneira para estacionar todas as motocicletas é o modelo do motociclista militar.
A primeira motocicleta, que será o líder, identifica o local do estacionamento e inicia a manobra e os demais seguem a mesma, de forma que cada motocicleta fique lado a lado e tenha uma distância de segurança igual a de uma motocicleta, como se fosse um intervalo.
Pq esta distância? Para que em caso de queda de uma destas motos, não aconteça o efeito domino, onde uma cai sobre uma e assim sucessivamente. Então, estacionadas perpendiculares, com intervalo de uma moto.
Para um visual de organização do grupo, todas seguem o padrão da 1ª (lider), com a mesma inclinação do guidon, (alguns modelos da Yamaha trancam para o lado esquerdo). deixe estas no final da fila.
Devem seguir também a colocação do capacete idênticos ao lider. Sobre o retrovisor ou sobre o bagageiro.... o importante é estarem todas uniformemente organizadas. O impacto visual da organização impressiona muito aos demais, além do bom controle de segurança dos bens, já que é fácil visualizar o que estiver faltando.
 
O grupo viaja em fila dupla alternada, adotando a fila indiana para manobras de parada, entroncamentos e infiltrações.
 
As chegadas e saídas dos estacionamentos seguem a ordem preestabelecidas, de forma que as motos ocupem o espaço de forma ordenada e sempre ao lado esquerdo do capitão. A manobra se inverte na saída, com os pilotos deixando o local em fila única, assumindo na estrada a fila dupla e o ferrolho informando o capitão que pode prosseguir viagem. Tudo prático, seguro.... e bonito de ver.
 
Obs.: Quando o local não obter espaço para estacionamento em formação o capitão irá levantar seu braço esquerdo e fazer um gesto circular, assim informando que cada integrante deve estacionar com segurança em local de sua estima.

Capitulo 4 – A segurança do Trem

Todos os integrantes de um trem de viagem devem se preocupar com a segurança, isto vai desde o momento que você se dispõe a realizar a viagem até o momento que guarda a moto na garagem, feliz da vida por mais uma viagem tranquila, segura e agradável.
 
Essa segurança e composta pelas condições gerais de sua moto (mecânica, Elétrica, pneus e documentação) pelas suas vestimentas (capacete, viseira, jaqueta, luvas e botas) pela suas bagagens devidamente acondicionadas e afixadas à moto e pelo principal: VOCÊ, suas condições de saúde. Você deve estar disposto e em pleno gozo de suas faculdades físicas e mentais para fazer uma viagem com segurança.   

Capitulo 5 – Comunicação no Trem

Quando o trem de viagem esta em movimento é praticamente impossível à comunicação através da fala entre seus integrantes, a forma de comunicação deve ser feita por sinais, use sempre sinais para indicar alguma coisa quando em movimento, não adianta ficar ao lado de um companheiro gritando, pois ele não vai entender nada.
Os sinais devem ser de conhecimentos de todos os integrantes de um trem de viagem, pois de nada valera, se não for organizado e combinado.
 
Então vejamos:   
REDUZIR VELOCIDADE
 
Braço esquerdo estendido na horizontal com a palma da mão voltada para BAIXO, balançando o braço de cima para baixo sucessivamente.
Esse sinal deve ocorrer antes do acionamento do freio, quando possível. Após o sinal redobrar a atenção e prever novos sinais.
AUMENTAR A VELOCIDADE
 

Braço esquerdo estendido na horizontal com a palma voltada para CIMA, balançando o braço de baixo para cima sucessivamente.
MUDANÇA DE DIREÇÃO
 

Com o braço esquerdo dar o sinal de ATENÇÃO com a SETA LIGADA, indicando que o GRUPO vai tomar outra direção, de acordo com o lado que a SETA esta indicando.
PISCA LIGADO
 

Braço esquerdo estendido com os dedos para baixo, abrindo e fechando: Significa que a luz de pisca foi esquecida ligada.
FAROL DESLIGADO
 

Braço esquerdo estendido com os dedos em movimento para cima: Significa que o farol esta desligado (apagado).
A Lei exige que os faróis estejam sempre acesos, mesmo durante o dia.
CHUVA
 

Braço esquerdo estendido como dedo indicador apontando para cima, seguido por um sinal com os dedos para baixo simulando “chuva”: Significa que há chuva pela frente e possível parada para colocação de capas de chuva.
Reduzir a velocidade e procurar um local seguro como postos, bases policiais, pedágios, pátios, etc.
FILA INDIANA
 

Braço esquerdo flexionado acima da cabeça, mão espalmada e dedos unidos simulando uma barbatana de tubarão. Esse sinal é utilizado na entrada dos Pedágios, nos corredores urbanos epistas sinuosas.
FORMAÇÃO PASSOS NA AREIA
 

Braço esquerdo flexionado acima da cabeça com os dois dedos, indicador e médio em forma de “V”: Significa que se deve formar fila em passos de areia, ou fila indiana alternada.
LOMBADA
 

Braço esquerdo estendido com a palma da mão voltada para baixo, simulando o contorno de uma lombada. Se estiver com GARUPA esta deverá executar esse sinal com os dois braços. Quando você estiver sobre a lombada, o dedo indicador deverá apontá-la. Antes deste, sinalizar com o sinal de “Reduzir a Velocidade”.
VALETA
 
Braço esquerdo estendido com a palma da mão voltada para baixo, simulando o contorno de uma valeta. Se estiver com GARUPA, esta deverá executar o sinal com os dois braços. Quando você estiver sobre a valeta, o dedo indicador deverá apontá-la.
Antes deste, sinalizar com o sinal de “Reduzir Velocidade”.
PISTA ESCORREGADIA
 

É utilizado quando a pista apresentar sinais de areia, óleo ou estiver molhada.
Com o braço flexionado e a palma da mão voltada para baixo, simulando um movimento de um “polimento”.
Antes deste sinalizar para reduzir a velocidade.
OBSTRUÇÕES NA PISTA ou Policiamento
 

Executar primeiramente o sinal de ATENÇÃO e depois o sinal de “Reduzir a Velocidade”.
Este sinal é o mais utilizado para diversas situações como estreitamento de pista, máquinas na pista, consertos, animais, etc.
 
Braço erguido constantemente sem a seta estar ligada:  Significa que na estrada tem algum problema, levante o seu braço também e fique atento, diminua a velocidade, prevendo uma possível parada no meio da estrada. Se parar no meio da estrada for necessário, nunca o faça de noite e saia sempre para o acostamento.
BURACOS OU DEFEITOS NA PISTA
 

Buracos ou outros tipos de obstáculos devem ser sinalizados de forma apropriada, com a perna. Reduza a velocidade e procure desviar (se possível). O sinal deve ser feito apenas do lado da fila que tem o buraco. Se o buraco estiver na esquerda, todos da fila esquerda devem sinalizar, e os da direita ignoram, e proceder da mesma forma quando o buraco estiver na direita.
Se o buraco estiver no meio as duas filas devem sinalizar. A garupa sinaliza apenas com as MÃOS fazendo o sinal com o braço esquerdo ou direito reto e com o dedo indicador apontando para o chão, do lado do buraco.
RADAR:
 

Estender o braço esquerdo e com o dedo indicador apontando para direção do Radar. Este sinal não é utilizado pelos Moto Clubes Federados (FMC).
 
Braço erguido apontando existência de radar:  Significa que se deve observar a velocidade da via, evitando assim a chegada de desagradáveis correspondências em casa.
LIGAR MOTORES ou PARTIR 
 

Fazer pequenos círculos com o dedo indicador da mão esquerda apontando para cima. Este sinal é utilizado para ligar motores ou tocar as buzinas antes das saídas.
Este sinal pode ser utilizado, também, na entrada de um estacionamento, informando estacionamento livre.
ABASTECIMENTOS EM POSTOS DE GASOLINA
 

Como sugestão, este posicionamento de 45 Graus nas bombas de combustível agiliza o abastecimento, evitando atrasos quando se tratar de um grande número de motocicletas no TREM.
Quando tiver mais de 20 motocicletas no TREM pode-se organizar  grupos de abastecimento separados, ou seja, uns abastecem enquanto outros vão para o lanche e banheiro. Depois se faz o rodízio. A saída dos postos deve ser em fila indiana, a fim de evitar congestionamento.
ESTACIONAMENTO E SAÍDAS
 

Na saída do TREM, o Ferrolho e o Auxiliar de Ferrolho podem posicionar suas motos nas saídas do estacionamento a fim de sinalizar o trânsito local a reduzirem a velocidade. 
FALTA DE COMBUSTÍVEL OU RESERVA
 

O sinal é dado com a mão esquerda simulando um revolver e apontando sucessivamente para o tanque de combustível. 
 
Problemas com combustível: Aproxime-se do Capitão da estrada e faça o sinal característico com o seu indicador direcionado para o seu tanque de gasolina e em seguida um sinal de negativo com o polegar, se o capitão de estrada estiver muito longe de você e ou sua máquina não for suficiente para alcançá-lo, vá até o penúltimo da fila (ajudante ferrolho) ou até o ferrolho (último da fila), e faça o mesmo sinal. Um deles vai ter que se comunicar da mesma forma com o Capitão da Estrada.
Obs: Esse tipo de problema não deve ocorre com freqüência uma vez que as paradas para reabastecimento são programadas. Em tempo, todos devem comparecer ao local marcado para o inicio da viagem com o tanque cheio, e no horário estipulado. Quando ocorrerem as paradas para reabastecimento durante a viagem, todos devem abastecer, independente da autonomia da moto.
PARADA NO ACOSTAMENTO
 

Quando estiver parado no acostamento o motociclista deverá ficar do lado de fora da pista e atrás da defensa, mureta ou qualquer outra proteção existente, quando houver. Mantenha a lanterna e o pisca alerta acesos, guidão virado e moto engatada.
A motocicleta deverá estar parada no acostamento paralelamente a pista, em fila única, NUCA NA TRANSVERSAL.
SINAL DE SOCORRO
 

O sinal de SOCORRO é colocar o PATCH do Moto Clube atrás da motocicleta, bem visível para que qualquer outro motociclista ou  Moto Clubista o veja e o ajude. Se a pane não for elétrica, mantenha as lanternas acesas, piscas acesos, guidão virado e moto engatada.
Utilizar os refletivos do capacete como se fosse um triângulo.
SINAL DA GARUPA
 

A GARUPA deve fazer com as duas mãos os seguintes sinais afim de ajudar o piloto nas suas manobras: LOMBADA, VALETA, BURACOS (Apontando com o dedo indicador o lado do buraco), RADAR e MUDANÇA DE DIREÇÃO. 

Local de Dispersão

Lembre-se: Todo passeio deve terminar num local para dispersão e despedidas afim de encerrar oficialmente o passeio.
 
Sempre recomendamos um local seguro, conhecido e de fácil visualização.

"Suba na sua moto... e curta a vida."

Para Dúvidas:
Elaboração: Renato Barazal e-mail – roadclanbrasil@gmail.com